Dicas para escolha de uma boa mochila cargueira!

Hoje vamos falar de um item indispensável para os viajantes de plantão: a mochila cargueira, ou o famoso “mochilão”. Antes de começar a listar os itens que vocês devem considerar na hora da compra da sua mochila, vou falar o porquê de eu preferir viajar com ela, ao invés de utilizar uma mala de rodinhas.Como escolher mochila cargueira

Imaginem só, um mochilão de 23 dias, por três países diferentes, viajando mais de 23 horas em um mesmo onibus, atravessando um deserto, passando por ruas de terra, fazendo uma trilha de 4hrs para chegar a Aguas Calientes e tendo que fazer isso levando uma mala de rodinha comigo? Tem pessoas que preferem, mas eu confesso que sou bem desastrada e no quinto dia, a rodinha já estaria esfolada, já que eu provavelmente não iria levá-la na mão durante algumas partes do trajeto. Logo, sou adepta da mochila cargueira por uma questão de facilidade! Além disso, as mochilas cargueiras cabem perfeitamente nos lockers dos hostels, e isso é um pontinho a mais para nos sentirmos seguros, né?

Caso você também prefira a mochila, lembre-se de encarar como um investimento, e que uma boa mochila cargueira poderá te livrar de alguns stress durante a sua viagem!

Tipos de Mochilas:

Mochila de Ataque – Comportam até 35 litros.
São mochilas menores e ideais para passeios curtos, trilhas e até mesmo para um day use. Eu, geralmente levo uma mochila de ataque pequena para os meus passeios durante o dia, e nela levo itens como mapas, livros, garrafa de água, uns snacks para ir beliscando conforme a fome for batendo, óculos de sol, etc.

Mochilas Cargueiras pequenas: De 35 a 60 litros
São as mochilas médias, utilizadas em trilhas ou naquelas viagens em que não precisamos levar muitas roupas ou equipamentos.

Mochilas Cargueiras grandes: de 60 a 90 litros 
São mochilas grandes, ideais para quem ficará um tempinho maior viajando e precisa levar muitas roupas ou equipamentos.

Importante se atentar pois um erro muito comum é comprarmos uma mochila grande, e acharmos que ela precisa estar cheia para começarmos a viagem. O resultado disso é uma baita dor nas costas pelo excesso de peso que estamos carregando. Eu tenho uma cargueira de 50 litros, pois se eu tivesse uma maior ia acabar enchendo de roupas que eu nem pensaria em usar, e sinceramente, acho esse tamanho ideal para o meu corpo. Pensem que a mochila tem que se adequar ao seu corpo, assim como a roupa que você veste! É um acessório que te acompanhará durante toda a viagem…pensem nisso com muito carinho, respeitando o corpo e os limites de vocês!

Há outros itens que eu levo em consideração na hora da compra da mochila. Segue abaixo:

Barrigueira: Sua mochila DEVE ter uma barrigueira ajustável. Ela serve para que o peso da mochila seja distribuido igualmente entre a cintura e os ombros. Notem se o acolchoamento da barrigueira é de qualidade!

Alças: Temos mochilas com alças largas e finas, e este item deverá ser avaliado por você no momento da compra. Eu me sinto mais confortável com as largas e que são alcochoadas..

Bolsos laterais: Eu adorava mochila com bolsos antes de ter uma com vários. A questão é a seguinte, usei uma mochila uma vez que tinha bolso em tudo que era canto, eu enchia de coisas, e isso acaba interferindo no equilíbrio. Além disso, na pressa, eu colocava em qualquer bolso e pra achar depois era terrível. Hoje, eu avalio se tem bolsos laterais não tão grandes, e se tiver bolso na barrigueira, será um ponto ainda maior.

Tela de ventilação: A tela fica na parte de trás da mochila, em contato com as suas costas e evita que o suor do corpo entre em contato com o tecido da mochila. Todas as mochilas que usei tinham, então, não sei dizer como são as que não tem. O ideal é que você avalie de acordo com suas necessidades.

Ziperes: Pra mim, esse item é um dos mais importantes. “Porque, Juuuuuu, explica pra gente????” Então, simples, já usei mochilas que tinham ziperes pequenos e que o acesso a ele se dava por uma cordinha. Ok, e qual o problema? Quando colocamos um cadeado para fechar a mala, caso alguém queira te roubar, é só cortar a cordinha, sacas?? Infelizmente, eu encontrei dificuldade com relação a este item na hora de comprar minha atual e foi com cordinha de novo. Estou inventando umas boas maracutaias para fecha-la com segurança… quando eu conseguir, faço um post sobre isso, ok? =)

Capa de chuva: Comprem mochilas que venham com a capa de chuva inclusas ou comprem a parte. Este item ajuda a conservar sua mochila e na hora de despachar a bagagem também é uma mão na roda, já que nossas lindas mochilas são jogadas igual a um nada quando são despachadas!

Algumas marcas para os que tem interesse em dar uma pesquisada:

– Curtlo
– Deuter
– Trilhas e Rumos
– North Face
– Quechua
– Nautika

Preço:
As mochilas variam entre R$150,00 a uns R$2.000,00. Como eu disse, algumas são caras mas é um investimento, gente. Quem puder comprar uma de R$700,00… por aí, ótimo, pontinho a mais, mas quem não pode, tem umas de R$350,00 que são boas também. Caso compre online, sempre se atente aos comentários de pessoas que também compraram aquela mochila.. é bem útil. Leve em consideração também o material da mochila!!

Onde comprar? Sugiro a Decathlon! =)
A minha é uma de 50l da Quechua, que custou aproximadamente R$300,00 e é excelente! Podem comprar pelo site que é confiável e eles entregam rapidinho, só se atentem aos comentários conforme dica acima!

Enfim, por hoje é só, genteee!

O primeiro mochilão a gente nunca esquece!!

É bem verdade que o primeiro mochilão a gente nunca esquece. Perdi a conta de quantas pessoas me taxaram de doida por embarcar sozinha rumo ao Chile, Bolivia e Peru. O que eu mais me lembro de ter escutado foi “Mas Ju, você vai pra esse bando de lugar sozinha? Eles podem roubar seus orgãos, é perigoso, você não devia ir”.. é verdade que isso poderia acontecer, mas eu sou da seguinte teoria.. quando algo tem que acontecer, acontecerá quer estejamos no Brasil, quer estejamos na Bolivia ou do outro lado do mundo. Felizmente, eu não dou ouvidos ao lado negativo da vida, pois se tivesse escutado.. eu não teria vivido essas experiências maravilhosas.

Pela primeira vez coloquei a mochila nas costas e saí por aí em um roteiro bem modesto: Santiago, Atacama, Salar de Uyuni, La Paz, Cusco, Machu Pichu.. e foi também a primeira vez que vi e pude sentir que a vida flui de uma maneira diferente quando estamos conectados com a natureza e com uma força maior a nossa volta. Senti frio, calor, medo, paixão, coragem, meditei e apreciei as belezas diferentes das que temos aqui, e sobretudo, cheguei a uma conclusão que é meio obvia, mas que foi capaz de me deixar meio desnorteada por um período de tempo… O mundo é grande demais para nos prendermos a certos padrões impostos pela sociedade e sobretudo, o mundo é grande demais para focarmos nos nossos micro problemas. Juro que cheguei a essa conclusão no auge do meu cansaço, depois de uma trilha bem exaustiva para chegar a Machu Pichu, mas quando cheguei lá em cima, foi como se tudo fizesse sentido na minha vida.

 Acho que não preciso dizer que essa viagem me abriu os olhos para as belezas do mundo e me fez enxergar que existem pessoas que levam uma vida tão mais difícil do que a nossa, e levam consigo um sorriso no rosto, independente das circunstancias da vida. Nesse quesito, preciso agradecer a Bolivia e Cusco, que me abriram os olhos para isso. Mais do que isso, essa foi a viagem que despertou e fez com que eu me tornasse uma pessoa ávida e sempre a espera de mais uma aventura.

Hoje vou começar a série de relatos do mochilão. Não pela ordem exata que percorri (começando por Santiago e terminando na Bolivia), mas começando pelos pontos que mais me tocaram durante toda a trip. Essa foi só uma introdução ao que a viagem representou pra mim, e espero que gostem, curtam e que os relatos sejam uteis para despertar um pouquinho da vontade de visitar alguns desses lugares. Precisando de dicas, já sabem, só mandar mensagens! =)