Minha experiência com a Copa Airlines!

Voando com a Copa Airlines

Hoje venho compartilhar com vocês a minha experiência voando com a Copa Airlines. Acho que todo mundo prefere voos diretos na hora de comprar a passagem aérea, porém, por motivos de dolar alto.. estamos procurando voos alternativos na tentativa de baratear os custos da nossa trip, certo? Justamente por isso eu comprei o meu voo de ida e retorno para a Colombia com a Copa Airlines, fiz a famosa conexão no Panamá e não foi um bicho de sete cabeças. Além do mais, paguei um precinho camarada que fez com que o voo valesse ainda mais a pena. Importante ressaltar que a Copa tem oferecido preços sensacionais para o Caribe e Estados Unidos, fiquem de olho viajantes!!

Meu voo era o seguinte:
02Aug Guarulhos – Panamá 03:30 08:29
02Aug Panamá – Bogotá 09:28 11:03
10Aug Cartagena – San Andres 15:55 17:20
14Aug San Andres – Bogotá 12:26 14:30
14Aug Bogotá – Panamá 18:08 19:54
14Aug Panamá – Guarulhos 21:29 06:20

Ao chegar no aeroporto fiz o check-in bem rápido e não tive que enfrentar uma fila quilometrica para despachar a bagagem. A copa operou com o Boeing 737-800, que não é um avião enorme, o que eu considero bem mais comodo. A começar pelo check-in, os funcionários são bem atenciosos, me ajudaram a escolher um bom assento em que não tivesse nenhuma pessoa no assento do meio em nenhum dos voos, e ainda me informaram que o assento da saída de emergência não reclina e recomendaram que eu não sentasse nele. Fiquei bem feliz nessa hora porque eles poderiam simplesmente não ter avisado e eu me lascado na saída de emergência, né? =)

Voando com a Copa AirlinesConforto e Serviço de bordo
Mesmo na classe econômica, a Copa oferece cobertores e travesseiros para todos os passageiros. No voo de ida, como era de madrugada, eles forneceram apenas uma bolachinha e um suco – só não fiquei decepcionada na hora porque meu namorado tinha voado uns dias antes e dito que depois viria algo mais requintado, don’t worry guysss, hahahaha – depois de um tempo, serviram salada de frutas, omelete e panquecas, um bolinho tipo muffin, e danoninho. Veio tudo embaladinho, bem servido, e com data de validade em todos os itens. Outro ponto que achei legal é que na maioria das companhias aéreas quando se voa em classe econômica, os talheres são de plastico. Na copa não, geeeeente!

Mesmo nos voos mais curtos, o serviço de bordo foi bem servido, com pão, frios, saladinha e suco, refri ou água. Realmente não tenho do que reclamar!

Entretenimento
Cada poltrona conta com sua tv individual com diversas opções de filmes, séries e músicas para ir escutando. Tinham filmes bem recentes para ver, mas eu assisti Gran Torino e Pulp Fiction! No voo de retorno, vim escutando as músicas latinas que embalaram as minhas noites na Colômbia, e não são músicas antigas não galera, são aqueles hits do momento mesmo. Para quem deseja umas canciones mais antigas, tem a categoria “Para relembrar” que também tem músicas bem legais e com gostinho da nossa adolescência.

Mas ju, e a escala no Panamá? Conta pra genteeee, vai!
Foi super tranquilo, vão sem medo. Como vocês sabem, o hub da Copa é o Panamá e seus voos geralmente tem uma conexão lá. As conexões são rápidas, e ao desembarcar lá, vocês já sairão na sala de espera sem ter que passar por imigração ou alfândega. Basta procurar o portão de embarque do seu próximo voo e esperar. A espera é tranquila tendo em vista que tem tomada e wifi liberado (Tocumen free ou hotspot free – a Tocumen funciona melhor)

Pontos extras a serem comentados:
* Cada assento conta com uma entrada USB que é uma mão na roda quando estamos sem bateria e precisamos recarregar o celular.
* No voo de retorno para o Brasil, o piloto e os comissários faziam os anuncios em espanhol, inglês e em português. Nosso idioma tá na Copa também, gente!! =)
* Fiquem tranquilos pois a bagagem já irá para o destino final!

Conclusão
Viajar com a Copa não me deu qualquer dor de cabeça, foi um voo agradável, os funcionários foram super simpáticos desde o check-in até o momento em que desembarquei no meu destino, as aeronaves são boas, e realmente não tenho nenhuma reclamação a fazer! Embarquem sem medo, até porque pesquisei antes de viajar e a Copa está entre as 10 companhias aéreas mais seguras para se voar. Olha só, sucessoo hein!

E vocês? Já voaram com a Copa? Como foi a experiência? Recomenda?
Conte para nós!

6 motivos para conhecer a Colômbia

Motivos para conhecer Colombia

Voltei há 2 dias da Colômbia e não consegui pensar em um primeiro post diferente. Foram apenas 12 dias no paraíso colombiano, mas que se tornaram inesquecíveis pela intensidade e receptividade desse povo tão “chevere”. Estou naquele período de “depre pós viagem”, ouvindo as músicas que embalaram minhas noites de “rumbia”, e já planejando voltar. Antes de mais nada, pensar que a Colômbia é um lugar repleto de drogas, dominado pelos carteis e pelas Farcs é a mesma coisa que achar que o brasil é feito só de favelas nos morros e futebol. Se você nunca pensou em conhecer a Colômbia, leia os motivos abaixo com carinho, comece a arrumar as malas e se prepare para uma experiência fantástica.

1 – Café
Se você é amante de café, este é o lugar certo. Até eu que não gosto de café, me entreguei ao café da Colômbia, que por sinal é uma delícia. Não deixe de ir a uma loja Juan Valdez, umas das marcas mais famosas e que é praticamente um starbucks colombiano! Lá você poderá provar café expresso, com leite, malteadas de bolacha com aroma de café (que são uma delíciaaaaaaaa). Além disso, não deixe de provar os grãos de café cobertos com chocolate e trazer de presente para seus amigos. Eu particularmente achei meio esquisito, porque não estamos acostumados a comer café né, mas todos os colombianos acham super “rico”.

2 – Clima
A Colômbia tem todos os climas que você quiser sentir. Há lugares frios como Bogotá, que tem temperaturas baixas durante todo o ano. Medellin que possui um clima agradabilíssimo, quente durante o dia e sereno durante a noite. Cartagena e San Andres com temperaturas por volta dos 34°C o ano todo. Sendo assim, é só escolher o clima que mais te agrada e embarcar na aventura.

3 – “A rumbiar”
Não tenho palavras pra noite colombiana, gente, é sério. Sou uma eterna apaixonada por salsa, reggaeton, bachata e voltei encantada com as baladas deles. Os colombianos são extremamente animados, dançam supeeeeeeeer bem, e é impossível ficar parado, mesmo que você odeie ou não saiba dançar. O termo “a rumbiar” é utilizado por eles como “vamos farrear”, “vamos dançar” e minha dica é, se entregue a noite colombiana e vá rumbiar.

4 – Povo
A simpatia e receptividade dos colombianos foi algo que chamou minha atenção em todos os lugares, mas principalmente em Medellin. As pessoas te ajudam com um sorriso no rosto, te ensinam como se localizar diante das ruas sem nome e travessas, se propõem a te acompanhar em algum lugar caso seja o mesmo caminho que o delas. Nós do Brasil também temos essa fama de receptivos, e confesso que me senti em casa por lá. Mais um ponto pra Colômbia!

5 – Comida
Foi a primeira viagem em que não senti tanta falta da comida brasileira. A comida da Colômbia é uma delícia, bem temperada, e com banana em todos os pratos – delícia. Se for a Colômbia, não deixe de provar as famosas Arepas com queijo que geralmente são servidas no café da manhã, e são super tipicas, a Bandeja Paisa, que é servido com arroz, feijão, ovo frito, carne de porco ou carne moida, banana verde frita, e uma arepa e também uma sopa chamada Ajiaco que é servida com milho. Além disso, prove a famosa limonada de coco, que é divina. voltei querendo mais e planejando fazer aqui em Sampa também, vamos ver se dá certo..

natuchips-platano-verde

Minha outra dica é um salgadinho natural maravilhoso que você pode comprar no mercado, e se chama Platanos verdes da marca Natu Chips. São bananas verdes fritas, e super deliciosas. Já estou com saudades! =(

6 – Praias
Sabe aquele mar azulzinho, calmo e que você consegue ver todos os peixinhos nadando? Pois bem, voltei da cor do pecado e querendo mais desse mar delicioso que a Colômbia tem. Não deixe de ir a Playa Blanca em Cartagena, Santa Marta e também de conhecer as maravilhosas praias de San Andrés!

O slogan da Colômbia é “El riesgo es que te quieras quedar” – o risco é que você queira ficar. Concordo plenamente com esse slogan e digo mais, assuma o risco e conheça esse lugar maravilhoso. Vale muito a pena! Deixo aqui o vídeo de marketing do país e espero que gostem.

Algum dos nossos leitores tem vontade de conhecer a Colômbia ou já conhece? Nos conte sua experiência!

Dicas para escolha de uma boa mochila cargueira!

Hoje vamos falar de um item indispensável para os viajantes de plantão: a mochila cargueira, ou o famoso “mochilão”. Antes de começar a listar os itens que vocês devem considerar na hora da compra da sua mochila, vou falar o porquê de eu preferir viajar com ela, ao invés de utilizar uma mala de rodinhas.Como escolher mochila cargueira

Imaginem só, um mochilão de 23 dias, por três países diferentes, viajando mais de 23 horas em um mesmo onibus, atravessando um deserto, passando por ruas de terra, fazendo uma trilha de 4hrs para chegar a Aguas Calientes e tendo que fazer isso levando uma mala de rodinha comigo? Tem pessoas que preferem, mas eu confesso que sou bem desastrada e no quinto dia, a rodinha já estaria esfolada, já que eu provavelmente não iria levá-la na mão durante algumas partes do trajeto. Logo, sou adepta da mochila cargueira por uma questão de facilidade! Além disso, as mochilas cargueiras cabem perfeitamente nos lockers dos hostels, e isso é um pontinho a mais para nos sentirmos seguros, né?

Caso você também prefira a mochila, lembre-se de encarar como um investimento, e que uma boa mochila cargueira poderá te livrar de alguns stress durante a sua viagem!

Tipos de Mochilas:

Mochila de Ataque – Comportam até 35 litros.
São mochilas menores e ideais para passeios curtos, trilhas e até mesmo para um day use. Eu, geralmente levo uma mochila de ataque pequena para os meus passeios durante o dia, e nela levo itens como mapas, livros, garrafa de água, uns snacks para ir beliscando conforme a fome for batendo, óculos de sol, etc.

Mochilas Cargueiras pequenas: De 35 a 60 litros
São as mochilas médias, utilizadas em trilhas ou naquelas viagens em que não precisamos levar muitas roupas ou equipamentos.

Mochilas Cargueiras grandes: de 60 a 90 litros 
São mochilas grandes, ideais para quem ficará um tempinho maior viajando e precisa levar muitas roupas ou equipamentos.

Importante se atentar pois um erro muito comum é comprarmos uma mochila grande, e acharmos que ela precisa estar cheia para começarmos a viagem. O resultado disso é uma baita dor nas costas pelo excesso de peso que estamos carregando. Eu tenho uma cargueira de 50 litros, pois se eu tivesse uma maior ia acabar enchendo de roupas que eu nem pensaria em usar, e sinceramente, acho esse tamanho ideal para o meu corpo. Pensem que a mochila tem que se adequar ao seu corpo, assim como a roupa que você veste! É um acessório que te acompanhará durante toda a viagem…pensem nisso com muito carinho, respeitando o corpo e os limites de vocês!

Há outros itens que eu levo em consideração na hora da compra da mochila. Segue abaixo:

Barrigueira: Sua mochila DEVE ter uma barrigueira ajustável. Ela serve para que o peso da mochila seja distribuido igualmente entre a cintura e os ombros. Notem se o acolchoamento da barrigueira é de qualidade!

Alças: Temos mochilas com alças largas e finas, e este item deverá ser avaliado por você no momento da compra. Eu me sinto mais confortável com as largas e que são alcochoadas..

Bolsos laterais: Eu adorava mochila com bolsos antes de ter uma com vários. A questão é a seguinte, usei uma mochila uma vez que tinha bolso em tudo que era canto, eu enchia de coisas, e isso acaba interferindo no equilíbrio. Além disso, na pressa, eu colocava em qualquer bolso e pra achar depois era terrível. Hoje, eu avalio se tem bolsos laterais não tão grandes, e se tiver bolso na barrigueira, será um ponto ainda maior.

Tela de ventilação: A tela fica na parte de trás da mochila, em contato com as suas costas e evita que o suor do corpo entre em contato com o tecido da mochila. Todas as mochilas que usei tinham, então, não sei dizer como são as que não tem. O ideal é que você avalie de acordo com suas necessidades.

Ziperes: Pra mim, esse item é um dos mais importantes. “Porque, Juuuuuu, explica pra gente????” Então, simples, já usei mochilas que tinham ziperes pequenos e que o acesso a ele se dava por uma cordinha. Ok, e qual o problema? Quando colocamos um cadeado para fechar a mala, caso alguém queira te roubar, é só cortar a cordinha, sacas?? Infelizmente, eu encontrei dificuldade com relação a este item na hora de comprar minha atual e foi com cordinha de novo. Estou inventando umas boas maracutaias para fecha-la com segurança… quando eu conseguir, faço um post sobre isso, ok? =)

Capa de chuva: Comprem mochilas que venham com a capa de chuva inclusas ou comprem a parte. Este item ajuda a conservar sua mochila e na hora de despachar a bagagem também é uma mão na roda, já que nossas lindas mochilas são jogadas igual a um nada quando são despachadas!

Algumas marcas para os que tem interesse em dar uma pesquisada:

– Curtlo
– Deuter
– Trilhas e Rumos
– North Face
– Quechua
– Nautika

Preço:
As mochilas variam entre R$150,00 a uns R$2.000,00. Como eu disse, algumas são caras mas é um investimento, gente. Quem puder comprar uma de R$700,00… por aí, ótimo, pontinho a mais, mas quem não pode, tem umas de R$350,00 que são boas também. Caso compre online, sempre se atente aos comentários de pessoas que também compraram aquela mochila.. é bem útil. Leve em consideração também o material da mochila!!

Onde comprar? Sugiro a Decathlon! =)
A minha é uma de 50l da Quechua, que custou aproximadamente R$300,00 e é excelente! Podem comprar pelo site que é confiável e eles entregam rapidinho, só se atentem aos comentários conforme dica acima!

Enfim, por hoje é só, genteee!

Farmácia a bordo – Remédios essenciais na sua viagem!

Remedios essenciais na viagemNão sei vocês, mas eu não me sinto muito confortável com a possibilidade de passar mal em outro país, sozinha, e comprando remédios diferentes dos quais estou acostumada a tomar. Pensando nisso, eu sempre levo uma farmácia a bordo com alguns remédios que eu posso precisar durante a trip. Meio paranóica, né? Mas é melhor prevenir do que remediar!

Vejam abaixo a minha humilde listinha – que espero não utilizar:

– Alergia: Polaramine 6mg. Bye Rinite!

– Gripe: Cimegripe

– Dor de cabeça e febre: Tylenol

– Dor muscular: Dorflex

– Cólica: Buscofem (acho mil vezes melhor que o Buscopam, mas ai vai de organismo para organismo).

– Dor de estomago: Omeprazol

– Dor de garganta: Cataflan generico – Diclofenaco Potassico

– Queimaduras e ferimentos: Nebacetin

– Band-aid para possíveis machucados e Cataflan em gel para dores também.

Basicamente é isso. Sugiro levar remédio para enjoo, que eu acabei esquecendo de comprar e comparei amanhã. Outra dica, além da farmacinha que é de lei, é levarem os remédios fora da caixinha pois elas costumam ocupar espaço na mala. O que eu faço para facilitar, é prender a cartela do remédio com a bula e deixar tudo em um compartimento especifico da bagagem.

E vocês? Costumam levar algum outro remédio que não está na nossa listinha? =)

[Relatos] Dia 3 Atacama – Sandboard no Valle de la luna

Bom, meu terceiro e último dia no Atacama foi super tranquilo por uma decisão própria. Como no dia seguinte eu embarcaria para o Salar de Uyuni, resolvi me dar um dia de descanso para conhecer a cidade e me preparar emocionalmente para o tão esperado frio do Salar! Deixei tudo arrumadinho, pois a noite eu faria Sandboard no Valle de la luna.

Nas noites de lua cheia, há a possibilidade da prática de Sandboard no Valle levando em consideração que a luz da lua é tão forte que ilumina todo o local. O passeio é sensacional… eles dão o equipamento e ensinam como descer pela areia. Para os que não sabem, sandboard é a mesma coisa que snow, só que ao invés de ser na neve.. é na areia. É o máximo!!! Engoli um montão de areia, levei um zilhão de capotes, mas a experiência foi 10!!! Só tinha eu de brasileira no passeio, e os gringos ainda me fizeram ensinar eles a sambar.. uma comédia kkkk o motorista era também o dj, então enquanto desciamos, ouvíamos um reggaeton super caliente. Tomamos pisco sour, e voltamos para o hostel!!

Infelizmente não sei dizer quanto paguei, pois fechei o passeio junto com os outros que fiz, mas se não me engano o valor foi de 13.000 CLP, aproximadamente R$60,00.

Minha dica é.. não deixem de fazer esse passeio que apesar de não ser tão comum por lá, é bem divertido! =)

[Relatos] Dia 2 – Atacama – Lagunas Altiplanicas y Valle de la Luna y Muerte

 O segundo dia foi um pouco mais puxado. Acordei às 05:00, aguentando um frio delicioso no Atacama para ir ao passeio mais extraordinário visto até então. A primeira parada foi o Salar do Atacama, onde fica a Laguna Chaxa, repleto de várias espécies de flamingos que não me lembro o nome, procurando comida dentro da água. Nossa guia era 10, e nos explicou que os flamingos se sentem extremamente incomodados com barulho e por isso voam para longe. Levando em consideração que nós estavámos no habitat natural deles, nossa guia nos pediu educadamente para fazer silêncio, até mesmo para tê-los mais próximos de nós e fazermos fotos boas. Infelizmente, quando nos aproximavamos, eles voavam =(. Estava fazendo MUITO frio, e por isso eu não consegui aproveitar tanto e nem fazer minha meditação que é de praxe. Tomamos o café da manhã ali mesmo, com uma vista divina, e partimos para a segunda parada: Lagunas Mixcanti y Miñiques.

Chegamos a uma super altitude, mas felizmente eu não senti nada além de muito frio… mas a culpa foi minha pois não fui agasalhada o suficiente. Mas sério, eu não consigo encontrar palavras pra descrever o que é esse lugar, fiquei anestesiada diante de tanta beleza e me sentindo dentro de um quadro. Foi lá que me veio a maior vontade de agradecer a Deus e ao Universo pela oportunidade de apreciar aquilo com meus próprios olhos. É tanta beleza que o frio é um mero detalhe!

 Uma explicaçãozinha do lugar.. uma erupção vulcanica do Miñiques provocou o estancamento das águas, criando essas lagunas lindas.

 De lá, fomos para um vilarejo chamado Toconao. Lá tem lojinhas, e tivemos uma surpresa… quem comprasse aquelas batatinhas fritas tipo ruffles… recebia uma super visita! Não vou contar de quem, pra não estragar a surpresa de quem fechar o passeio no mesmo lugar que fechei… mas é bem legal, comprem… é baratinho, e vale a experiência!

 Voltamos para o centro, almocei, descansei um pouquinho, e a tarde fui para o Valle de la luna y Muerte. O passeio foi legal, mas não foi algo que me surpreendeu tanto. Talvez eu devesse ter seguido a sugestão da agência e feito este passeio antes de todos os outros, porque depois de ter uma visão estonteante na parte da manhã com as Lagunas Altiplanicas, eu não vi tanta graça assim no Valle, porém o passeio é legal, diferente dos outros que eu vi durante toda a viagem, e o por do sol lá é maravilhoso. Eu fiquei morrreeeeeendo de medo de subir no topo da montanha para ver o por do sol, mas encarei o desafio e não me arrependi. O arrependimento veio na hora de descer… kkkkkkk mas valeu a pena!

Voltei para o centro, jantei com a Thata que conheci no hostel, tomei umas cervejinhas, e só!

Sugestão para jantar: Restaurante La Pica del Indio, bom, bonito e barato!

[Relatos] Dia 1 – Atacama (Laguna Cejar e Tebinquiche)

Eu cheguei no Atacama por volta de umas 10h00, depois de uma longa e exaustiva viagem de aproximadamente 24 horas em ônibus. Apesar das horas de sono no ônibus não terem sido excelentes, eu cheguei no hostel, tomei banho e já fui em busca dos preços dos passeios. Fiz uma super caminhada pela Caracoles comparando os preços dos passeios que tinha interesse em fazer, e a real é que as agências que ficam no começo da Caracoles são mais caras. Fechei todos os passeios – com exceção do Salar de Uyuni – em uma agência no final da Caracoles.

 Como não teria tempo de fazer nenhum passeio pela manhã, fechei o passeio das Lagunas Cejar e Tebinquiche para a parte da tarde – saída às 16:00.

Sugiro que entrem de chinelo porque as pedras machucam o pé por ali. Eu entrei sem, boiei e logo pedi pra guria que estava comigo pegar meu chinelo, kkkkkk

Depois de aproximadamente 01h30, fomos aos Ojos del Salar, que são duas crateras enormes de água doce, que ninguém sabe como se formou – imagino e até o guia do passeio disse que foi por queda de meteoritos, mas não pesquisei para checar se a informação procede.  Quem tiver interesse pode dar um mergulho… eu não arrisquei porque não nado tão bem assim, infelizmente, e no meu grupo não vi nenhum corajoso entrando, mas acho que deva ser uma experiência legal, até mesmo pra tirar o resto do sal que restou no corpo.

Em seguida, fomos a Laguna Tebinquiche, onde vi um por do sol lindo, tomando o famoso pisco sour (é peruano ou chileno? that’s the question, guys…). Achei essa parte do passeio uma delícia, e é incrível como as cores do lugar vão mudando a medida que o sol se põe.

 Cheguei no hostel por volta das 20h00, fui jantar, e capotei porque as horas mal dormidas no bus começaram a pesar nas costas.

Gastos do dia

35.000 CLP – Passeios (Valle de la luna y muerte, Laguna Cejar, Ojos de Salar y Laguna Tebinquinche, Lagunas Altiplanicas, e Sandboarding no Valle de la Muerte) – (aprox 155,00)

1.000 CLP – Água (aprox 4,50)

4.000 CLP – Almoço (aprox 20,00)

6.000 CLP – Jantar (aprox 26,00)

1.500 CLP – Entrada de estudante no passeio da Laguna Cejar (aprox 7,00)